O que esperar do clima em junho de 2020?

Falta menos de um mês para terminar o outono e entraremos no inverno. A nova estação começa às 18h44 de 20 de junho e vai até às 10h31 de 22 de setembro, pelo horário de Brasília.

O Brasil experimentou duas fortes frentes frias durante o mês de maio, que deram muita chuva para o Sul do Brasil e espalharam o frio pelo país. As massas polares que vieram com estas frentes frias foram amplas e fortes.

O frio foi abrangente sobre o Sul, Sudeste, Centro-Oeste chegando a Rondônia, ao Acre e ao sul do Amazonas.

Em 15 de maio, o Epagri-Ciram registrou -4,6°C em Urupema e em Bom Jardim da Serra, as duas cidades localizadas na parte mais elevada da serra de Santa Catarina. Esta foi a menor temperatura no Brasil em 2020, até o momento, considerando medições feitas pelo Epagri-Ciram e pelo Instituto Nacional de Meteorologia.

Podcast Clima entre nós: Frio, ar seco e covid-19

Embora fortes, estas duas frentes frias passaram sobre o Sudeste e o Centro-Oeste com pouca chuva, embora muita nebulosidade tenha se formada. A cidade de São Paulo acumulou aproximadamente 11 mm de chuva em 29 dias, tendo um dos meses de maio mais secos desde os anos 1960.

A chuva de maio foi volumosa e frequente sobre o Norte e o Nordeste do Brasil. Vale destacar os diversos eventos de chuva forte em capitais nordestinas O mês fecha com chuva acima média em Salvador, Natal, Fortaleza e João Pessoa.

Até a manhã do dia 29 de maio, Natal acumulava aproximadamente 411 mm de chuva e em João Pessoa havia chovido quase 515 mm. Estes era dois maiores volumes de chuva sobre capitais em maio.

O que esperar do clima em junho de 2020?

A previsão é de 5 frentes frias avançando pelo país no mês de junho, quase todas na primeira metade do mês. Na avaliação do meteorologista Filipe Pungirum, da equipe de previsão de clima da Climatempo ” as massas de ar polar voltam a avançar com força sobre o país e continuaremos com episódios de frio intenso de geada”.

Em relação à chuva na Região Sul, que vem tendo um quadro de seca desde o verão, uma boa notícia: a previsão é de chuva volumosa nas principais bacias hidrográficas da Região Sul, com inclusive valores acima da média histórica.

De acordo do Pungirum, de forma geral, a Região Sudeste, terá chuva entre a média e ligeiramente acima da média durante o mês de junho, com massas de ar frio encontrando ambiente próspero para avançar sobre a Região.

Na Região Nordeste, alguns episódios de DOLs (Distúrbios Ondulatórios de Leste) vão causar chuva na faixa leste da Região.

“Na faixa norte da Região Norte, a chuva diminui bastante porque a ZCIT (Zona de Convergência Intertropical) estará se afastando do Brasil”, prevê Filipe Pungirum..

Para o Centro-Oeste, há expectativa de incursão de massas de ar polar com as frentes frias. Há risco de geada nos pontos mais frios de Mato Grosso do Sul.

Sobre a Climatempo

Com solidez de 30 anos de mercado e fornecendo assessoria meteorológica de qualidade para os principais segmentos, a Climatempo é sinônimo de inovação. Foi a primeira empresa privada a oferecer análises customizadas para diversos setores do mercado, boletins informativos para meios de comunicação, canal 24 horas nas principais operadoras de TV por assinatura e posicionamento digital consolidado com website e aplicativos, que juntos somam 20 milhões de usuários mensais.

Em 2015, passou a investir ainda mais em tecnologia e inovação com a instalação do LABS Climatempo no Parque Tecnológico de São José dos Campos (SP). O LABS atua na pesquisa e no desenvolvimento de soluções para tempo severo, energias renováveis (eólica e solar), hidrologia, comercialização e geração de energia, navegação interior, oceanografia e cidades inteligentes. Principal empresa de consultoria meteorológica do país, em 2019 a Climatempo uniu forças com a norueguesa StormGeo, líder global em inteligência meteorológica e soluções para suporte à decisão.

A fusão estratégica dá à Climatempo acesso a novos produtos e sistemas que irão fortalecer ainda mais suas competências e alcance, incluindo soluções focadas nos setores de serviços de energia renovável. O Grupo segue presidido pelo meteorologista Carlos Magno que, com mais de 35 anos de carreira, foi um dos primeiros comunicadores da profissão no país.

Assessoria de Comunicação da Climatempo

Comenta aí o que você achou dessa matéria...