Mudanças no Plano Safra 2020/2021 são tema de live nesta semana

Após o lançamento do Plano Safra 2020/2021, na semana passada (18/06), pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), a Emater/RS-Ascar, em parceria com a Secretaria Estadual de Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr), realizou uma live com a participação de mais de 350 pessoas, nesta quarta-feira (24/06), para apresentar as principais mudanças em relação ao plano da safra passada, de forma específica ao Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) e ao Programa Nacional de Apoio ao Médio Produtor Rural (Pronamp). Ambos, de crédito rural, visam à promoção do desenvolvimento das atividades dos pequenos e médios produtores rurais, proporcionando o aumento da renda e da geração de empregos no campo, onde o público assistido pela Instituição está concentrado. O encontro virtual contou com a participação do diretor técnico, Alencar Rugeri, na abertura, e apresentação do conteúdo pelos extensionistas Célio Colle, Roblein Filho e Alano Tonin.
 
De acordo com o anúncio feito pelo Mapa para a próxima safra de verão serão disponibilizados R$ 33 bilhões para o Pronaf e R$ 33,2 bilhões para o Pronamp, e R$ 170,1 bilhões para demais agricultores e cooperativas, totalizando R$ 263,30 bilhões, um aumento de 6,1% em relação ao ano anterior, que foi de R$ 222,74 bilhões. Na última safra, a Emater/RS-Ascar elaborou cerca de 40 mil projetos de crédito para custeio e investimentos, totalizando R$ 1,49 bilhão.
 
Colle explica que enquanto o valor disponibilizado aumentou, as taxas de juros caíram. “Para o Pronaf, de 3% (custeio) e 4,6% (investimento) para 2,75% e 4%, respectivamente; para o Pronamp, de 6% para 5% (custeio) e de 7% para 6% (investimento); e para os demais, de 8% para 6%”.

No caso do Pronaf, foram viabilizadas outras linhas de financiamento voltadas à promoção da sustentabilidade e à geração de renda dos empreendimentos, como o Pronaf Mulher, o Pronaf Jovem, o Pronaf Agroindústria, Pronaf Bioeconomia (Pronaf Eco), Pronaf Floresta, o Pronaf Agroecologia, entre outras.  Do total de recursos aplicados no Pronaf em todo o país, o Rio Grande do Sul é responsável por 20% dos recursos e 15% dos contratos, o que demonstra a importância do crédito rural para a agricultura gaúcha. 

Além da apresentação dessas mudanças, o evento teve como objetivo mostrar a importância da realização de um projeto para o agricultor com os laudos de acompanhamento das lavouras. Porque o crédito rural, acompanhado de Assistência Técnica e Extensão Rural e Social (Aters), resulta em menores riscos para o produtor, inclusive de necessitar recorrer ao Proagro, que, infelizmente, entre dezembro de 2019 e junho deste ano, foram realizadas mais de 18,7 mil perícias pela Instituição, sendo mais de dez mil somente para a soja e mais de seis mil para o milho.   

Muito além de elaborar projetos de crédito, é importante sempre ressaltar que a Instituição atende às demandas diárias de seu público, formado por agricultores familiares, quilombolas, pescadores artesanais, indígenas e assentados da reforma agrária, que somam um contingente superior a 200 mil famílias de assistidos em 100% dos municípios gaúchos. 

E que é no coração de 9.550 comunidades rurais que pulsa a atuação transversal do serviço de Aters, revigorada pelo convênio com as prefeituras e parceria com agentes financeiros para o crédito rural, que se fertiliza o desenvolvimento socioeconômico e cultural do Rio Grande do Sul.