Cuidado e carinho com pequenos e grandes animais

Hospital Veterinário da UPF presta atendimento aos animais utilizados em atividades acadêmicas e serve como laboratório para futuros profissionais da área

Conhecido por seu trabalho no atendimento a animais domésticos e a animais silvestres, o Hospital Veterinário da Universidade de Passo Fundo (HV/UPF) também tem um espaço dedicado exclusivamente ao tratamento de animais de grande porte, como suínos, caprinos, ovinos, bovinos e equinos. Nessa quarta-feira, 14 de agosto, o HV recebeu, do Centro de Extensão e Pesquisa Agropecuária (Cepagro) da Instituição, 10 filhotes de ovelhas. Nascidos há dois dias, os filhotes não conseguiram ser amantados pela mãe, que não tinha leite, e, por essa razão, precisaram de atendimento dos médicos-veterinários.

O trabalho, nesse caso, envolve principalmente a alimentação e o cuidado com a nutrição dos animais. Segundo o diretor da Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária (FMAV), professor Dr. Eraldo Zanella, eles serão alimentados com leite de vaca até que possam consumir alimentos sólidos. A previsão é que a recuperação dure em torno de 10 a 15 dias, até que os filhotes estejam fortes o suficiente e possam retornar à fazenda onde vivem cerca de 120 animais de várias espécies, que são utilizados nas aulas práticas, tanto do curso de Medicina Veterinária quanto do de Agronomia.

Esse atendimento aos animais do Cepagro é uma prática no Hospital. De acordo com o médico-veterinário residente Leonardo Motta Fornari, o HV funciona como um centro de apoio para a fazenda prestando atendimento aos animais que precisam de cuidado clínico. Esse acompanhamento é feito semanalmente ou de acordo com a demanda do Cepagro. “Nós temos um cronograma, os veterinários de ruminantes principalmente vão até a fazenda semanalmente e fazem a revisão do rebanho. Ou quando tem algum problema clínico, a gente faz o atendimento lá, sempre junto com os estudantes”, explica. Caso seja necessário, assim como no caso dos filhotes, os animais são levados até o Hospital, onde ficam internados e passam por cuidados mais intensivos. Quando recuperados, voltam para a fazenda.

Espaço de aprendizagem

Além de ser fundamental para a manutenção do Cepagro, o Hospital Veterinário serve de laboratório para os futuros profissionais de Medicina Veterinária. Na opinião do diretor da FAMV, esse é, inclusive, um dos diferenciais da Instituição. “Nós temos um curso que oferece a parte teórica, com professores que são capacitados, e temos principalmente a fazenda e o HV, que possibilitam que os estudantes dos diversos níveis do curso de Medicina Veterinária realizem estágios e trabalhem aqui, auxiliando e aprendendo como se cuida, não só dos cordeiros, mas de todos os animais, grandes e pequenos”, ressalta.

Para o professor, é um espaço fundamental também para os estudantes do curso de Agronomia, que se dedicam em especial à parte de produção animal. “Eles precisam conhecer como se criam esses animais, quais são suas necessidades desde jovens, como no caso desses cordeirinhos. Isso se justifica porque eles têm uma necessidade diária de alimento, e, se a gente não cuida, eles acabam padecendo, principalmente agora no inverno. Por isso, essa estrutura é fundamental para que eles consigam, na prática, colocar a mão nos animais”, completa.

Experiência na prática

Esse diferencial fez com que a acadêmica Keith Ellen Nunes Ferreira, hoje no sexto nível do curso de Medicina Veterinária, viesse de Araranguá, Santa Catarina, estudar na UPF. “Eu escolhi vir para a UPF justamente porque ela tem esse atendimento para grandes animais, que era algo que já me interessava antes de ingressar no curso. É muito importante ter esse espaço para grandes animais porque não são todas as instituições que proporcionam esse laboratório”, pontua.

Hoje, ela é extensionista no espaço, onde trabalha duas vezes por semana e realiza plantões noturnos e de finais de semana. “Iniciei no Hospital ainda no segundo semestre do curso e acredito que estar aqui dentro traz uma experiência muito maior. A prática é muito diferente da teoria e a gente aprende muito aqui. Então, é muito importante poder estar nesse meio e eu acredito que a Universidade consegue proporcionar isso”, completa.

Fotos: Leonardo Andreoli

Comenta aí o que você achou dessa matéria...