Exposições sobre o Rio Passo Fundo podem ser visitadas até 16 de dezembro

Desde agosto, mais de 11 mil pessoas visitaram as exposições no Portal das Linguagens e no Muzar
Abertas ao público desde agosto deste ano, as exposições do Projeto Rio Passo Fundo: patrimônio paisagístico, natural, ambiental, histórico-cultural, econômico e político, que ocorrem no Portal das Linguagens, já foram visitadas por mais de 11,5 mil pessoas. No Museu Zoobotânico Augusto Ruschi (Muzar), foram mais de 4,5 mil visitantes; e no Campus I da Universidade de Passo Fundo (UPF), mais de 7 mil pessoas. Quem ainda não visitou, tem até o dia 16 de dezembro para conhecer um pouco mais sobre o Rio Passo Fundo.
O projeto Rio Passo Fundo é desenvolvido pelo Museu de Artes Visuais Ruth Schneider (MAVRS), com o apoio do Museu Histórico Regional (MHR), do Museu Zoobotânico Augusto Ruschi (Muzar) e do Comitê Rio Passo Fundo, ligados à Vice-Reitoria de Extensão e Assuntos Comunitários (VREAC) da UPF, e patrocinado pelo Programa CAIXA de Apoio ao Patrimônio Cultural Brasileiro 2017/2018 da Caixa Econômica Federal.
Ao todo, são seis exposições, que são resultado de atividades que iniciaram há quase dois anos e envolveram expedições, ações educativas, visitas a escolas, pesquisa e elaboração de conteúdo. As exposições apresentam o Rio como patrimônio paisagístico, natural, ambiental, histórico-cultural, econômico e político.
 
Sobre as exposições
 
Patrimônio paisagístico, natural e ambiental
Para apresentar à comunidade o patrimônio paisagístico, natural e ambiental da Bacia Hidrográfica do Rio Passo Fundo, o Muzar propõe a interação dos visitantes com a exposição. Eles poderão conhecer a área geográfica da Bacia, a biodiversidade correspondente aos ecossistemas que compõem a região, e, ainda, as questões ambientais que envolvem a água – desde a identificação de áreas protegidas na Bacia até os problemas ambientais e sociais que a região apresenta. A fauna e a flora ameaçada de extinção também são destacadas na exposição.
Patrimônio Histórico-cultural, econômico e político
A exposição do MHR – instalada no Portal das Linguagens –  aborda as relações entre os homens, suas ocupações, ressignificações sociais e culturais, as construções identitárias e o espaço físico da Bacia Hidrográfica do Rio Passo Fundo ao longo dos séculos XIX, XX e XXI. Isso é feito por meio de uma abordagem das interfaces entre o patrimônio cultural (material e imaterial) e ambiental, com recursos multimídia para tematizar alguns dos personagens precursores na ocupação desse espaço no século XIX – como Tropeiros, Kaingangs e caboclos – e, também, a memória mais recente de seus moradores, com relatos e fotografias sobre as transformações nas formas de uso que o Rio sofreu ao longo do século XX e XXI.
Arte que aborda a realidade
Além disso, o MAVRS apresenta quatro exposições – também instaladas no Portal das Linguagens – que, por meio do uso da arte, mostram ao visitante o cenário do Rio Passo Fundo. “Só mais um”, “Sons do mundo”, “Água (nossa) imagem líquida” e “Percurso poético do rio: terras, cores e nuances” abordam, por meio da visão artística de professores e acadêmicos do curso de Artes Visuais da FAC/UPF, da professora Me. Ivana Rocha Tissot, da jornalista Me. Fabiana Beltrami e da artista plástica Maria Lucina Bueno, a questão do lixo em meio ao rio e, ainda, a utilização das tintas naturais – encontradas na região – como alternativa de produção artística.
Visitação
A comunidade pode visitar as exposições no Portal das Linguagens e no Muzar, ambos localizados no Campus I da UPF, durante os turnos manhã e tarde. O Portal não está aberto nas segundas-feiras. Informações pelo telefone (54) 3316-8316.
Fotos: Divulgação

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

três − três =