Candidatos derrotados por um “triz” desabafam após eleições

Nos municípios onde não há segundo turno, alguns candidatos a prefeito perderam por diferença de poucos votos na eleição de domingo. No Rio Grande do Sul, em pelos menos 14 cidades, a diferença entre o primeiro e o segundo colocado foi inferior a 40.

• Caseiros

O candidato Marcos Canali (PP), 42 anos, foi derrotado por Leo Tessaro (PMDB) por apenas um voto: 1.246 contra 1.245, na cidade da região Nordeste do Estado. Canali foi prefeito em duas oportunidades em Caseiros e disputava a continuação do grupo que comandava a cidade há 24 anos. Mesmo derrotado por um voto, Canali tem a sensação do dever cumprido. Porém, demonstra estar chateado com a condução da campanha eleitoral no município.

“Estou 100 % tranquilo, pois é um processo democrático e temos que respeitar. Vida que segue. As autoridades têm que levar o povo ao entendimento, não como desta forma como foi feita a campanha. Nunca passamos por isso na história do município. As pessoas que vivenciaram a campanha durante 45 dias sabem. Prefiro nem comentar. Precisamos de paz, respeito e não temos que plantar raiva ou disputa em uma comunidade. Infelizmente, não aconteceu. Bola para a frente”, afirmou Canali.

A intenção do candidato derrotado é não concorrer mais a prefeitura, mas deixa claro que não vai encerrar o trabalho político. “Ainda no domingo pela manhã afirmei que era a última. Estou me desligando da política do município, não pela comunidade, a quem agradeço, principalmente, pelo reconhecimento. Quando tive na prefeitura construímos uma comunidade para todos”, revelou o candidato derrotado do PP.

• Erechim

A candidata Ana Oliveira (PMDB), 56 anos, perdeu a eleição por 12 votos para Luiz Francisco Schmidt (PSDB). A pequena diferença motiva a política a seguir sonhando em ser a primeira mulher prefeita em 98 anos da cidade da região do Alto Uruguai. “Recebemos a derrota com respeito. Fizemos muitas coisas no município e, de repente, pode ter faltado alguma para não conseguirmos a vitória. Uma derrota ou uma vitória sempre serve para aprende alguma coisa. Ainda mais em uma disputa tão acirrada. Vamos em frente. É apenas mais um passo”, afirmou Ana.

A candidata já foi duas vezes vice-prefeita e não acredita que o preconceito com as mulheres tenha influenciado definitivamente na eleição. “O preconceito existe. Eu faltaria com a verdade se disser que isso não ocorre, mas não é um problema de Erechim. É de todo mundo. Espero que a minha contribuição tenha sido ter aberto o caminho para que outras candidatas concorram ao cargo”, declarou Ana.

Depois de ser duas vezes vice do prefeito Paulo Polis e perder outra eleição para o mesmo cargo, a política já planeja participar de outros pleitos. “Tenho mais de 20 anos na vida pública e vou continuar, pois tenho o compromisso com as pessoas e com a minha comunidade. A diferença foi de 12 votos e isso motiva. Uma pena as abstenções e os votos nulos. Não vou desistir”, revelou a candidata do PMDB.

• São José do Inhacorá

A decisão pela prefeitura de São José do Inhacorá, município da Grande Santa Rosa, foi decidida no último domingo por uma diferença de apenas oito votos, quando o candidato Gilberto Hammes (PMDB) venceu Abílio Graeff (PDT), de 74 anos. Em entrevista à reportagem, Graeff destacou que fez uma campanha incontestável, sem promessas absurdas.

“Poderia citar diversos fatores para justificar a derrota, mas gostaria de salientar que fizemos uma campanha absolutamente limpa e com o recurso disponível. Não me sinto mal pelo resultado e estou tranquilo, como sempre”, resumiu Graeff.

Graeff lembrou que já concorreu aos cargos de vereador e prefeito e deixou em aberto a possibilidade de lutar por cargo público nas próximas eleições. “Sou um cidadão, vou seguir o meu caminho e a minha trajetória. Não devo nada para ninguém. Vida que segue”, concluiu.

• Nonoai

A corrida eleitoral pela prefeitura de Nonoai, cidade da zona da produção, foi decidida em favor do candidato Edílson (PP), que venceu Jorge Bringhenti, de 53 anos, por apenas 21 votos. Para Bringhenti (PDT), não há motivo para desânimo por conta da derrota. O empresário afirmou que saiu do pleito com a sensação de dever cumprido. “Tínhamos feito uma pesquisa de boca de urna e estávamos na frente, com cerca de 300 votos. Talvez se a votação tivesse ocorrido um dia antes, o resultado seria outro”, comentou.

Bringhenti acredita que faltou fôlego na reta final da campanha. “Eu acho que o pessoal se acomodou um pouco, achando que a eleição já estava ganha. Time que está ganhando não pode recuar. Além disso, eu tive pouco tempo de rádio. Mas precisamos respeitar o desejo da população. Vou seguir minha vida como empresário e se o partido me chamar novamente, vou tentar ajudar”, declarou.

Lista de votações com pequena diferença:

• Caseiros (Um voto de diferença)

Leo Tessaro (PMDB) -1246

Marco Canali (PP ) -1245

• Cerro Grande (Quatro votos de diferença)

Eleedes Pinheiro (PDT) – 1047

Nego (PTB) – 1043

• São José do Inhacorá (Oito votos de diferença)

Gilberto Hammes (PMDB) – 1016

Abílio Graef (PDT) 1008

• Erechim (12 votos de diferença)

Luiz Francisco Schmidt (PSDB) – 23819

Ana Oliveira (PMDB) – 23807

• Presidente Lucena (13 votos de diferença)

Gilmar (PSDB) – 1094

Rejani (PMDB) – 1081

• Três Forquilhas (14 votos de diferença)

Robinho (PMDB) – 1234

Lola (PP) – 1220

• Herveiras (16 votos de diferença)

Paulo Grassel (PMDB) – 1193

Nazário (PTB) – 1177

• Nova Boa Vista (18 votos de diferença)

Daniel (PMDB) – 878

Paulo Merten (PTB) – 860

• Nonoai (21 votos de diferença)

Edílson (PP) 3823

Jorge Brimghenti (PDT) 3802

• São Martinho da Serra (32 votos de diferença)

Gilson (PP) – 1304

Robson (DEM) – 1272

• Capão do Cipó (34 votos de diferença)

Froner (PP) – 1227

Serafim (PMDB) – 1193

• Tupanci do Sul (34 votos de diferença)

Foscarini (PSDB) – 539

Ademar Zotti (PP) – 505

• Salvador das Missões (35 votos de diferença)

Daniel (PT) – 1148

Jair Henrich (PMDB) – 1113

• São Pedro da Serra (37 votos de diferença)

Isabel (PMDB) – 1350

Ari Miguel (PTB) – 1313

• Vila Maria (38 votos de diferença)

Maixo Betto (PPS) – 1646

Endrigo (PT) – 1608

 

Fonte: Correio do Povo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *