Pequenos produtores de Liberato Salzano se destacam na produção de citrus no Rio Grande do Sul

Região Norte é a principal do estado na produção de laranja e bergamota. Município de Liberato Salzano reúne 450 famílias com pomares das duas frutas.

té janeiro de 2018, cerca de 25 mil toneladas de citrus devem ser colhidas pelas 450 famílias que têm pomares em Liberato Salzano, município da Região Norte do Rio Grande do Sul. A região é a principal produtora do estado, que no total produz 400 mil toneladas, em 16.273 hectares destinados à laranja e 10.458 hectares à bergamota (fruta também chamada de tangerina), de acordo com a Emater (Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural).

Durante a década de 1980, a cidade apostou na diversificação de geração de renda na pequenas propriedades. Surgiu assim a atividade leiteira e as plantações de citrus, a segunda principal atividade. Até plantações de milho e soja perderam espaço para os pomares.

“Temos um grupo de associados, são 86 sócios. Fora a associação, o município tem uma área de 1.050 hectares de laranja, então é uma área bem considerável, e uma boa produção também”, afirma o presidente da Associação dos Citricultores de Liberato Salzano, Leandro Rubini.

A safra deste ano deve ter uma quebra devido à chuva das últimas semanas. O mau tempo fez com que as frutas caíssem dos pés e maturassem mais tarde. Mesmo assim, os produtores apostam que a qualidade e o preço do produto devem compensar essa perda.

“A produção deste ano está sendo bem menor do que a no ano passado. Mas pelos motivos que no ano passado a safra foi muito grande. Na nossa média, a produção está cerca de 30% abaixo, principalmente porque a gente teve perdas com esses últimos dias de chuva. A safra deve ter uma quebra acentuada até, mas mesmo assim, isso falando mais em suco, a produção de mesa, a fruta está mais bonita, melhor, qualidade mais intensa”, acrescenta Rubini, que estima bons preços da fruta no mercado.

Transformado em essência, citrus se transforma em matéria-prima para a indústria de cosméticos

O preço pago pelos compradores da fruta in natura ou pela indústria instalada próxima às propriedades varia de R$ 0,35 a R$ 0,80 por quilo. As laranjas seguem até os locais de caminhão para serem processadas. Da produção, 80% é destinada aos sucos.

A indústria exporta suco concentrado para mais de oito países da América Latina, Europa e Oriente. Cada quilo da bebida concentrada pode ser transformado em sete litros de suco natural. Também se extraem óleos essenciais e essências aromáticas da casca.

Fonte/Fotos: G1/RBS




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *