Crime digital: pesquisador afirma que prática será cada vez mais comum no Brasil

Na última sexta-feira, um ciberataque de escala global causou enormes bloqueios por todo o mundo. Os alvos principais foram as grandes empresas, mas o vírus também afetou serviços hospitalares, desativando os computadores. O perigo ainda não passou, pois na manhã de ontem, na China e no Japão, ocorreram registros de milhares de computadores afetados.

Os criminosos roubavam todos os dados dos computadores e exigiam que as instituições comprassem cerca de R$300 dólares em moeda virtual bitcoin. De posse dos créditos os bandidos exigiam que as moedas virtuais fossem repassadas a eles por transferência, sendo que depois esta moeda é trocada por algo de interesse dos criminosos.

O ataque também foi registrado no Brasil e, por medida de segurança, o sistema do INSS ficou fora do ar na última sexta-feira, fazendo muitas pessoas perderem atendimento.

Em entrevista na Uirapuru, o Pesquisador da Área de Direito e Tecnologia no Mestrado de Direito da Imed, Vinícius Borges Fortes, explicou que este tipo de crime já ocorreu antes no Brasil, mas em pequena escala, inclusive com casos registrados em Passo Fundo, nos mesmos moldes.

Da mesma forma que o crime evoluiu, a polícia também já criou mecanismos de combate. Como exemplo, o pesquisador citou a criação de um departamento especial dentro da Polícia Civil e da própria lei que trata os crimes digitais, batizada de lei Carolina Dieckmann, em alusão ao caso onde a atriz teve fotos vazadas na internet.

Para o pesquisador a melhor forma de lidar com este tipo de crime é acionar a Polícia Civil, de forma normal, que irá internamente encaminhar o caso para o setor especial. Para o pesquisador, este tipo de ação será cada vez mais frequente, mas tranquilizou dizendo que o Estado, de forma pioneira, está atento a isso através da Polícia Civil.

Uma recomendação importante é manter os computadores das empresas sempre atualizados, pois é nas brechas do sistema que os bandidos atacam.

Rádio Uirapuru




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *