Visitas têm que ser controladas para evitar motins, diz secretário da Segurança do Amazonas

O secretário de Segurança Pública do Amazonas, Sérgio Fontes, afirmou que o Estado não perdeu o controle das penitenciárias e garantiu que os líderes do massacre em Manaus, que resultou em 60 detentos mortos em 24 horas de motim, deverão ser submetidos ao Regime Disciplinar Diferenciado (RDD). Após o anúncio do ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, sobre a transferência dos líderes da rebelião para presídios federais, o secretário destacou que as visitas precisam ser impedidas mesmos nas cadeias controladas pelo governo ou novos motins poderão ocorrer no Estado.

“Esse é o grande desafio porque, mesmo em presídios federais, quando termina o RDD, eles recebem visitas íntimas, visitas de advogados, e muito provavelmete essa rebelião foi acordada através dessas visitas. É um desafios das autoridades federais de manter a incomunicabilidade. Nós temos confiança de que nós vamos conseguir, porque no final de 2015 foi feita uma grande operação aqui no Amazonas, a operação “La Muralla” da PF com o apoio de todas as forças locais, e esse foi um dos fatores que gerou essa rebelidão. Eles (presos) esperavam que seus líderes retornassem para o Amazonas e isso não aconteceu a nosso pedido. Então vamos continuar com essa política de combate ao crime organizado”, declarou o secretário em entrevista à Rádio Guaíba nesta terça-feira.

Mesmo após o massacre no Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), o governo do Amazonas não aceitou o apoio da Força Nacional de Segurança. “Não achamos que no momento seja necessário. Nós estamos fazendo controle e esse gasto seria desnecessário. Agora, outras ajudas foram aceitas. Mas também não está descartada a ajuda da Força Nacional, é uma utilização racional de recursos. Não adianta utilizar dele agora e precisar mais tarde e já ter esgotado. Calculamos que vamos recapturar, se não todos, a maioria até o final de semana. Já temos 50 recpaturados e aumentando a todo momento”, informou Fontes.

Desde a tarde de domingo, 60 mortes, rebeliões e 184 fugas ocorrerem em quatro unidades de detenção de Manaus em um intervalo de 24 horas. Foram 56 assassinatos no Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj) e mais quatro na Unidade Prisional do Puraquequara (UPP), na Zona Rural de Manaus. Houve rebeliões também no Centro de Detenção Provisória Masculino (CDPM) e no Instituto Penal Antônio Trindade (Ipat). Quarenta dos 184 detentos que fugiram foram recapturados, mas 144 seguem foragidos, segundo o último balanço do governo.

O massacre é considerado o maior da história do sistema prisional do Amazonas. No país, a matança só perde para o caso envolvendo o Carandiru, em São Paulo, quando 11 detentos foram mortos após entrada da Polícia Militar para conter uma rebelião.




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *