Ártico tem ano recorde de calor e derretimento maciço de gelo

O Ártico quebrou recordes de calor no ano passado, quando um ar excepcionalmente quente provocou o derretimento maciço de gelo e de neve e um congelamento tardio no outono – disseram cientistas do governo americano na última terça-feira, 13.

A avaliação foi publicada no Arctic Report Card 2016, um relatório revisado por pares de 61 cientistas de todo o mundo, emitido pela Agência Oceânica e Atmosférica dos Estados Unidos (NOAA, na sigla em inglês).

O relatório abrange o período de outubro de 2015 a setembro de 2016, quando “a temperatura média anual do ar no Ártico sobre a superfície terrestre foi a mais alta do registro observacional”.

“Raramente vimos o Ártico mostrar um sinal mais claro, mais forte, ou mais pronunciado, de aquecimento persistente e seus efeitos em cascata sobre o meio ambiente do que neste ano”, afirmou o diretor do Programa de Pesquisa do Ártico da NOAA, Jeremy Mathis.

A região ártica continua se aquecendo mais de duas vezes mais rápido do que o restante do planeta, que também deverá registrar seu ano mais quente nos tempos modernos.

Os cientistas do clima dizem que as razões para o aumento do calor incluem a queima de combustíveis fósseis que emitem gases causadores do efeito estufa, que prendem o calor na atmosfera, bem como a tendência de aquecimento do oceano El Niño, que terminou no meio do ano.

Fonte: UOL Notícias




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *