Maior oferta de leite provoca queda dos preços e preocupa produtores gaúchos

Os dias com maior luminosidade e a boa umidade no solo propiciam condições mais adequadas de produção dos campos nativos, favorecendo a oferta de alimento para o rebanho e se refletindo no aumento da produção de leite.

 

De acordo com o Informativo Conjuntural da Emater/RS-Ascar, as pastagens apresentam bom desenvolvimento, principalmente se tratando de espécies perenes (tiftons, jeegs, aries, aruana e capim elefante, entre outras). O incremento da taxa fotossintética, favorecido pelas condições climáticas, associado ao manejo da pastagem (adubação e piqueteamento), incrementa a produção de massa verde e a oferta de pasto ao rebanho bovino leiteiro.
“Importante destacar que no ano de 2016 tivemos os melhores preços dos últimos anos, no entanto, a maior oferta de forragens aumentou de forma significativa a captação de leite pelas indústrias, que aliada a uma demanda retraída jogou os preços para baixo no terceiro mês consecutivo”, avalia o diretor técnico da Emater/RS, Lino Moura.
Em algumas regiões do Estado, os produtores que utilizaram as pastagens de inverno, como azevém, trevos e cornichão, atualmente em final de ciclo, conseguiram manter o estado corporal dos animais e evitar queda na produção. Em algumas propriedades terminou o uso da silagem que havia e os animais são mantidos em pastagem. Os produtores que utilizam o sistema de piqueteamento nas pastagens têm conseguido um melhor aproveitamento das forrageiras.
Como o cultivo do milho é importante para a obtenção de forragem para o gado de leite, alguns produtores ainda estão plantando milho para silagem, uns fazem cobertura de ureia e outros confeccionaram fenos de aveia e azevém, conservando assim a forragem na propriedade. Como a época é de vazio forrageiro, muitos produtores que não possuem pastagens perenes de verão estão tendo que aumentar o fornecimento de silagem ou rações para manter a produção. Já os produtores de leite à base de pasto que possuem planejamento forrageiro conseguem manter alta a produtividade no período, com baixo custo, praticamente eliminando o vazio forrageiro de primavera.

Fonte: Assessoria Emater/Ascar-RS



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *